Os oceanos à beira de uma catástrofe ‘sem precedentes na história humana’-junho 29, 2011

A vida marinha encara a extinção em massa “dentro de uma geração humana” O estado dos mares é “muito pior do que pensávamos”, diz um painel global de cientistas. Por Michael McCarthy

Os oceanos do mundo encaram uma perda de espécies sem precedentes, comparável às grandes extinções em massa da pré-história, sugere hoje um importante relatório. Os mares estão se degenerando muito mais rapidamente do que qualquer um havia previsto, diz o relatório, por causa do impacto cumulativo de um número de severas agressões individuais, que vão do aquecimento do clima e a acidificação da água marinha até a poluição química disseminada e a grosseira sobrepesca.

A combinação desses fatores agora ameaça o ambiente marinho com uma catástrofe “sem precedentes na história humana”, de acordo com o relatório de um painel de cientistas marinhos de ponta, reunidos em Oxford no começo deste ano pelo Programa Internacional sobre o Estado do Oceano (IPSO) e pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).

A dura sugestão feita pelo painel é que a extinção potencial de espécies, de peixes grandes, num extremo da escala, até minúsculos corais, na outra, é diretamente comparável às cinco grandes extinções em massa do registro geológico, durante as quais boa parte da vida do mundo morreu. Elas vão do “evento” Ordoviciano-Siluriano de 450 milhões de anos atrás à extinção Cretáceo-Terciária de 65 milhões de anos atrás, que foi aquela que, acredita-se, extinguiu os dinossauros. Acredita-se que o pior desses eventos, no fim do período Permiano, 251 milhões de anos atrás, eliminou 70% das espécies terrestres e 96% de todas as espécies marinhas.

O painel de 27 cientistas, que levou em consideração as pesquisas mais recentes em todas as áreas da ciência marinha, concluiu que “uma combinação de agressões está criando as condições associadas a todas as principais extinções de espécies na história da Terra”. Eles também concluíram que:

  • A intensidade e a rapidez da degeneração dos oceanos é muito maior que qualquer um havia previsto.
  • Muitos dos impactos negativos que foram identificados são piores que as piores previsões.
  • Os primeiros passos de uma significativa extinção global já podem ter sido dados.

“As descobertas são chocantes”, disse o Dr. Alex Rogers, professor de biologia da conservação na Universidade Oxford e diretor científico do IPSO. “Quando consideramos o efeito cumulativo do que a humanidade faz aos oceanos, as implicações tornam-se muito piores do que havíamos percebido individualmente”.

“Esta é uma situação séria, que exige ação inequívoca em todos os níveis. São consequências para a humanidade que terão impacto durante o nosso tempo de vida e, pior, durante o tempo de vida dos nossos filhos e das gerações vindouras”. Ao considerar as pesquisas recentes, o painel de especialistas “encontrou indícios firmes” de que os efeitos da mudança climática, junto com outros impactos induzidos pelos humanos, como a sobrepesca e o esgotamento de nutrientes devido à agricultura, já provocaram um declínio dramático na saúde dos oceanos.

Não apenas há declínio severo em muitas espécies de peixes, ao ponto de extinção comercial em alguns casos, e uma extinção regional de alguns tipos de habitat em ritmo “sem paralelo”, como é o caso dos mangues e pradarias marinhas, mas alguns ecossistemas inteiros, como os recifes corais, podem desaparecer dentro de uma geração.

O relatório diz: “A crescente hipoxia [baixo nível de oxigênio] e anóxia [ausência de oxigênio, conhecida como zonas marinhas mortas], combinadas com o aquecimento do oceano e a acidificação, são os três fatores que estiveram presentes em todos os eventos de extinção em massa na história da Terra”.

“Há fortes indícios científicos de que esses três fatores estão se combinando no oceano novamente, exacerbados por múltiplas agressões severas. O painel científico concluiu que um novo acontecimento de extinção é inevitável se a atual trajetória de danos continua”.

O painel apontou uma série de indicadores de como a situação é grave. Disse, por exemplo, que um único descoloramento em massa de corais em 1998 matou cerca de 16% de todos os recifes corais do mundo, e apontou que a sobrepesca já reduziu alguns estoques de peixes comerciais e populações de espécies “bycatch” (capturadas involuntariamente) em mais de 90%.

O painel também revelou que novas pesquisas científicas sugerem que os poluidores, incluindo-se os químicos que retardam a combustão e os almíscares sintéticos encontrados em detergentes, estão sendo acompanhados nos oceanos polares e que esses químicos podem ser absorvidos por partículas plásticas minúsculas no oceano que são, por sua vez, ingeridas pelos peixes que se alimentam nas profundezas.

As partículas plásticas também ajudam no transporte de algas, aumentando a ocorrência de florescimentos algais tóxicos – que também são causados pelo influxo de poluição rica em nutrientes vindas das terras agricultadas.

Os especialistas concordaram que, quando estas e outras ameaças se somam, o oceano e seus ecossistemas são incapazes de se recuperar, já que são constantemente bombardeados com ataques múltiplos.

O relatório estabelece uma série de recomendações e convoca Estados, corpos regionais e as Nações Unidas para que coloquem em vigor medidas de conservação dos ecossistemas oceânicos, e em particular exige a adoção urgente de melhor governança dos altos-mares que estão, em larga medida, desprotegidos.

“Os principais especialistas do mundo em oceanos estão surpresos com a magnitude e a intensidade das mudanças que estamos observando”, diz Dan Laffoley, conselheiro sênior de ciência marinha e da conservação no IUCN. “Os desafios para o futuro dos oceanos são vastos mas, ao contrário das gerações anteriores, nós agora sabemos o que deve acontecer. A hora de proteger o coração do nosso planeta é agora, hoje e urgente”.

As conclusões do relatório serão apresentadas na ONU esta semana, quando os delegados iniciarem as discussões sobre a reforma da governança dos oceanos.

Original aqui. Michael McCarthy é editor de meio ambiente do jornal inglês “The Independent”. Tradução de Idelber Avelar

Reportagem na Revista Fórum, republicada pelo EcoDebate, 29/06/2011