Entrevista para carta Maior

Marilia Noronha

ÁGUA E SANEAMENTO

Copasa vende 30% das ações ordinárias

Empresa aliena ações para iniciativa privada, sendo que maior parte foi adquirida por empresas estrangeiras.

SÃO PAULO - Em fevereiro deste ano, a Copasa colocou à venda 30% das ações ordinárias (aquelas que conferem ao seu titular o direito de voto na Assembléia Geral dos Acionistas) da empresa. Dessas ações vendáveis, 73% foram adquiridas por empresas estrangeiras. De acordo com Murilo Torres, gerente da área de finanças da Copasa, a intenção é reinvestir o lucro na própria empresa. A empreitada vem sendo acusada de ser o início de um processo gradual de privatização da estatal.

“A privatização da Copasa tem sido um processo lento desde fevereiro com a venda de ações”, afirma Marilia Noronha, presidente da organização não-governamental Nova Cambuquira. Segundo ela, a valorização das ações na bolsa e os convênios firmados com empresas privadas, como a alemã Berlinwasser, são indícios de uma futura privatização. “No Estado, o [governador] Aécio é a favor de privatizar tudo e fazer parcerias público-privado”, observa.

Para a deputada Elisa Costa (PT-MG), a privatização se concretiza quando a iniciativa privada passa a compartilhar o poder de decisão. “A Copasa caminha segundo uma visão de mercado e não social. Ela tem que ter papel de justiça social com tarifa social, levando e subsidiando a água para lugares que são carentes. A Copasa é uma empresa pública. O Estado tem que agir em áreas de pobreza, com políticas públicas de qualidade e subsidiar os municípios carentes. Mas cada vez mais ela assume uma visão de empresa que dá lucros para ser avalista de investimentos internacionais”, afirma.

Segundo o presidente do Sindágua, José Maria dos Santos, "saneamento e saúde devem ser tratados pelo poder público. Quem tem que fazer é o governo. Na nossa visão, está acontecendo uma privatização branca, porque há leis na nossa Assembléia que impedem a privatização”, afirma.

>> INSIRA SEU COMENTÁRIO >>

Leia Mais

15/08/2006

Copasa vende 30% das ações ordinárias : Empresa aliena ações para iniciativa privada, sendo que maior parte foi adquirida por empresas estrangeiras.

Envasamento de água no Sul de Minas também causa polêmica : A Copasa, empresa estatal de saneamento de Minas Gerais, quer assumir exploração das águas das estâncias hidrominerais de Caxambu, Lambari e Cambuquira. ONG teme superexploração.

Aécio quer isolar em subsidiária o atendimento a áreas pobres de Minas : Companhia de Saneamento de Minas Gerais quer se livrar de regiões pobres, como o Vale do Jequitinhonha, criando subsidiária que assumiria serviços básicos, segundo projeto do governador Aécio Neves. Oposição vê início de privatização.

14/08/2006