Câmara de Cambuquira faz audiência Pública

 

Iniciativa da Câmara Municipal de Cambuquira, com sucesso,reuniram-se em 15 de Abril de 2004, no Hotel Santos Dumont,autoridades e a população de Cambuquira,para discutir o destino de nosso Parque das águas.

O Diretor da CODEMIG Dr. Pratini de Moraes, permaneceu durante aproximadamente duas horas,respondendo as perguntas, que lhe foram feitas,sem contudo dar um direcionamento claro sobre as intenções reais de manutenção de nosso Parque,visto que a CODEMIG destinou apenas 170.000,00 para consertos que se fazem necessários,e que não darão para começar a referida obra de restauração que necessária.

Mesa formada pelo Promotor Cristiano da Rocha Gazal, Deputado Estadual Laudelino Augusto, Marial Cândido Murta(Presidente da Câmara),Vice-Prefeito Sebastião Renê Silva,a Presidente da ONG Nova Cambuquira Marilia Noronha e Sérgio Mário Regina Presidente de honra do CBH-verde.

Maria Antonia da Ampara,defendeu sobejamente o assunto Nestlé x São Lourenço.

Ao término da reunião foi feita Carta de intenções,que deverá ser levada ao Governador Aécio Neves.

Cambuquira começa a dar mostras de preocupação com seu Patrimônio maior!

Paulino de Souza escreveu:

Estive em Cambuquira hj, dia 15.04.04, para o evento promovido pela Câmara dos Vereadores da cidade , que consistiu numa Audiência Pública, cujo tema versou sobre o Parque das Águas de Cambuquira.

Conduzido pelo Presidente da Câmara Ver. Marcel Cândido, contou com a presença do Dep. Laudelino Augusto, do Presidente da CODEMIG, Dr. Pratini, do Presidente Honorário do Comitê de Bacia do Rio Verde, Dr. Sérgio M. de Regina e a presença de ambientalistas do Circuito das Águas, cujo FOCAS - Forum das Ongs do Circuito das Águas, se fez presente na pessoa de seu Presidente, Dr.Reynaldo Guedes, alem de outros representantes de ONGs, como a AMPARA de Caxambú, a NOVA CAMBUQUIRA, a APPAS de São Lourenço e do Movimento Cidadania Pelas Águas.

Grande público compareceu e participou intensamente dos debates, sendo notável a presença marcante de jovens, colegiais, que vieram defender os interesses de sua cidade e do seu Parque das Águas, que se encontra em lamentável estado de abandono. O Dr. Pratini, foi atencioso ao responder as questões que lhe foram dirigidas, no entanto, de tudo o que respondeu restaram poucas esperanças de uma solução mais rápida e adequada para atender às demandas da cidade, haja vista que a verba existente na CODEMIG destinada ao Parque, não chega a alcançar o valor de R$200.000,00, demasiadamente pouco para recupera-lo. A presidente da ONG NOVA CAMBUQUIRA, Marília Noronha, enfatizou o estado de abandono do Parque cobrando das autoridades presentes uma atitude mais enérgica na apuração das denúncias de desvios de verbas que teriam sido praticadas pela extinta COMIG, e uma efetivação da vontade política dirigida à recuperação completa do Parque das Águas, como forma de incremento da indústria turística do Estado. Sua fala foi secundada e apoiada pela sempre brilhante e incisiva participação da Presidente da ONG AMPARA de Caxambú, Maria Antônia, batendo-se pela participação da comunidade em igualdade de condições, responsabilidades e autoridade na gestão do Parque das Águas, de todos os parques do circuito, como forma de evitar que essas benesses ímpares com que a natureza dotou a região, viessem a ter em futuro próximo o destino trágico do Parque das Águas de São Lourenço, vítima da gestão perniciosa e da lavra ambiciosa de uma empresa particular. Nesse ponto, terminado o pronunciamento da Maria Antônia, uma participante emocionada tomou a palavra e voltou a reclamar do estado de abandono do Parque, mas afirmou que jamais, os cidadãos de sua cidade deixariam que Cambuquira e seu parque viessem a ter o mesmo destino de São Lourenço. Nesse passo, o Dr. Pratini respondendo aos questionamentos, colocou seu ponto de vista segundo o qual, o caso de São Lourenço seria completamente diverso de todos os demais parques de vez que, sendo propriedade particular, somente estaria sob a responsabilidade do DNPM quanto a concessão de lavra. Pedi a palavra, me apresentei e, muito educadamente, lembrei ao doutor Presidente da Codemig, que São Lourenço é um município que está dentro do território do Estado de Minas Gerais, Brasil, e portanto, as leis que nesse País vigoram aplicam-se mandatóriamente em São Lourenço também, e que dentre elas vigem as leis ambientais sob a égide do SISNAMA que foram todas, pormenorizada e cabalmente descumpridas, violadas, negadas, pela poderosa empresa Nestlé Waters a dona do parque, que acaba de ser agraciada com o licenciamento ambiental concedido pelo COPAM/SEMAD, órgãos estaduais que tem a função de velar pelo meio ambiente estadual no exercício do poder de polícia através da atuação da FEAM. Mas, o Dr. Pratini respondendo, manteve sua opinião. Vários outros participantes de ongs, particulares, hoteleiros, empresários de turismo se manifestaram, até que a sessão foi interrompida para almoço. Não pude ficar para a 2a fase do evento.

Paulino de Souza