ONU adverte para efeitos da desertificação

– Fenômeno ocorre mais intensamente por conta do aquecimento global, diz diretor de programa para o meio ambiente. Vitimas podem chegar a 1 bilhão

A desertificação e a degradação dos solos ameaçam cerca de um bilhão de pessoas em mais de cem países, advertiu hoje o Programa das Nações Unidas Ambiente (PNUMA).

Por ocasião do “Dia Mundial da Desertificação”, o diretor executivo da agência, Achim Steiner, disse que as mudanças climáticas têm agravado o aumento do fenômeno.

Neste sentido, ele instou governos a chegar a um acordo na próxima reunião sobre o assunto a ser realizada em Copenhague, no final do ano.

Por sua parte, Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, disse que a desertificação e a seca estão ameaçando a estabilidade de de países e da comunidade internacional.

Ele argumentou que o atual padrão mundial de produção e consumo são insustentáveis e levarão a outras crises alimentares, como no ano passado.

Ele ressaltou que a agricultura e a pecuária consomem 70% dos recursos de água doce e causam 80% do desmatamento.

Ban acrescentou que, como muitas vezes acontece, os pobres serão os primeiros a sofrer as consequências e os últimos a se recuperar.

[EcoDebate, 18/06/2009, com informações em espanhol do Boletim ONU-Brasil nº 441]